Doença Falciforme: saiba como prevenir e tratar esta doença

Zoom em uma anatomia humana destacando os glóbulos vermelhos contaminados pela doença
Você conhece a Doença Falciforme ou sabe do que se trata? Logo abaixo destacamos importantes pontos sobre a patologia e como evitá-la.

A Doença Falciforme é um mal decorrente da modificação de um dos principais componentes do sangue, a hemoglobina.

Isso porque o ato impede que ela transporte oxigênio ao corpo, fator que atrapalha muitos pacientes de terem uma rotina normal. Assim, para destrinchar essa doença pouco conhecida, destacamos algumas questões sobre o assunto.

O que é?

A Doença Falciforme (DF) é uma malformação hereditária apresentada pelos glóbulos vermelhos, quer dizer, uma anomalia passada de pai para filho, onde alterações genéticas impedem as hemoglobinas de fazerem o seu trabalho.

No entanto, para entendermos como é manifestação desse tipo de doença, primeiro é preciso saber qual é o papel da hemoglobina nesta história.

O que é hemoglobina?

Glóbulos vermelhos de uma veia transportando hemoglobina.

A hemoglobina é considerada uma proteína encarregada de transportar o oxigênio aos tecidos, que estão presentes nos glóbulos vermelhos do sangue, chamados de hemácias.

Hemoglobina normal e falciforme em um glóbulo vermelho.

Assim, quando as hemoglobinas sofrem alguma anormalidade no seu gene, automaticamente sua função de enviar oxigênio ao corpo é afetada, resultando na Doença Falciforme – doença que muda o formato arredondado da hemácia para o formato de foice.

Saiba a importância da vacina e por que é preciso fazê-la

Dicas, tipos e como cuidar dos seus cabelos

Do tradicional ao amargo, os Benefícios do Chocolate

Quais os sintomas?

Os principais sintomas da doença são anemia, com icterícia, que é o amarelamento dos olhos, assim como casos de dores ósseas e articulares.

Em alguns quadros, é possível que a criança sofra com o atraso no crescimento e desenvolvimento, tendo também a “Síndrome Mão e Pé”, que são inchaços e dor nos punhos, tornozelos e dedos, sem falar do grande risco de infecções.

Como funciona o diagnóstico?

Como dito anteriormente, a prevenção é um passo importante para evitar a doença. Em razão disso, para preveni-la, é realizado o teste do Pezinho, um exame feito na primeira semana de vida. Neste caso, é preciso levar a criança até o Posto de Saúde mais próximo da sua casa, onde o teste tem o papel de verificar a doença, assim como diagnosticar pacientes com Traço Falciforme.

Além desse, existe o Eletroforese de Hemoglobina, que visa ajudar pacientes com mais de 4 meses e os adultos que não fizeram o teste do Pezinho.

Tratamento

Pessoa utilizando dois dedos para medir a pulso de outra, além do uso de um aparelho medidor.

Geralmente, os tratamentos de pessoas com Doença Falciforme são feitos através da prevenção das atividades que possam causar a modificação das hemácias do sangue.

Para isso, o governo federal alerta sobre a necessidade de manter o calendário vacinal em dia, além de recomendar o tratamento rápido de infecções, desidratação ou exposições a altas temperaturas, além de atividades físicas intensas.

Já quando instaladas no organismo, técnicas como hidratação e uso de analgésico são implantadas para controlar o alastramento do desconforto. Mas claro que tudo varia conforme o mal-estar apresentado de uma pessoa para o outra.

Conscientização sobre a doença

Diante disso, o dia 19 de junho foi escolhido pela Assembleia Geral nas Nações Unidas como o Dia Mundial de Conscientização da Doença Falciforme. A data é uma forma de dar visibilidade e prevenir a taxa de mortalidade decorrente da doença que atinge 60 mil brasileiros.

O desconforto, que pode ser diagnosticado já na primeira semana de vida, possui particularidades e reações que variam muito, daí surge a importância da prevenção.

Este conteúdo foi formulado e desenvolvido, sob supervisão técnica da farmacêutica responsável: Dra. Daniela S. Dávida - CRF/SP 47.916. Não devendo as informações obtidas aqui, serem utilizadas como substitutas ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Tags: